Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - Regional São Paulo

Carcinoma mamário oculto é mais comum em mulheres submetidas à redução mamária após câncer contralateral

A redução mamária (mamoplastia redutora) é o oitavo procedimento de cirurgia plástica mais frequentemente realizado no mundo, com estimativa de mais de 489 mil pacientes atendidas em 2017. Ocasionalmente, carcinomas mamários ocultos são descobertos em amostras de redução mamária. Embora a sua incidência varie amplamente, existe a tendência de aumento em mulheres com histórico de câncer de mama.

Uma revisão sistemática com metanálise recentemente publicada no periódico Plastic and Reconstructive Surgery analisou a incidência de carcinoma mamário oculto em amostras de redução mamária, de acordo com a presença ou ausência de histórico de câncer de mama.

Entre um total de 242 estudos potencialmente elegíveis a partir de uma revisão sistemática realizada nas bases de dados MEDLINE e Embase, quarenta e dois estudos (38 retrospectivos e 3 prospectivos) envolvendo pacientes (4.658 e 17.590 peças cirúrgicas oriundas de mulheres com e sem antecedente de câncer mamário, respectivamente), com idades entre 35 e 61 anos, foram finalmente incluídos e selecionados para análise.

A incidência de carcinoma mamário oculto foi maior nas amostras de mulheres com (3,4%; IC95%, 2,2 a 5,3%) do que sem (0,6%; IC95%, 0,4 a 0,8%) antecedente de câncer de mama. Houve heterogeneidade significativa (I2 = 74%; p <0,01), mas nenhum viés de publicação significativo (teste de Egger, p = 0,47).

A probabilidade de carcinoma mamário oculto foi aumentada quando as populações foram comparadas diretamente (OR = 6,02; IC 95%, 3,06 a 11,86; p <0,0001); não houve heterogeneidade (I2 = 29%; p = 0,21) ou viés de publicação (teste de Egger, p = 0,41).

Os autores concluíram que há necessidade de diretrizes pré-operatórias de triagem radiológica, aconselhamento e histopatologia para garantir diagnóstico e tratamento adequados para essas mulheres com histórico de câncer de mama submetidas à redução mamária. Novos estudos de coorte prospectivas, com ajuste adequado de fatores como idade e histórico familiar de câncer de mama, são necessários para fortalecer essas conclusões.

Leia mais aqui:
https://journals.lww.com/plasreconsurg/pages/articleviewer.aspx?year=2020&issue=08000&article=00002&type=Fulltext

JP na Web