Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - Regional São Paulo

Estudo investiga profilaxia de tromboembolismo venoso em cirurgias de contorno corporal

Um grupo de pesquisadores dos Estados Unidos investigou o uso profilático de Rivaroxabana (Xarelto) contra tromboembolismo venoso em pacientes submetidos à cirurgia de contorno corporal abdominal. A pesquisa é motivada pela falta de consenso sobre o agente quimioprofilático ideal, embora a necessidade de reduzir a incidência de tromboembolismo venoso seja um desafio a cirurgiões plásticos em procedimentos de contorno corporal. Os resultados foram publicados em recente edição do periódico Aesthetic Surgery Journal.

O estudo consiste em uma revisão retrospectiva dos prontuários médicos de todos os pacientes submetidos à abdominoplastia, cirurgia circunferencial, paniculectomia flor de lis ou cirurgia circunferencial flor de lis. Todos os pacientes receberam Rivaroxabana (10 mg uma vez ao dia) durante 7 dias de pós-operatório, iniciando no primeiro dia após o procedimento.

Pacientes que não receberam esse regime profilático, seja devido a um evento de sangramento antes da administração de Rivaroxabana no primeiro dia de pós-operatório ou outra contraindicação, foram excluídos da análise final. Os dois desfechos primários foram: incidência de tromboembolismo venoso e eventos hemorrágicos.

Um total de 600 pacientes (94,3% do sexo feminino; idade média de 43,6 anos; 58,8% com risco moderado de tromboembolismo venoso com base na pontuação de Caprini) foram incluídos no estudo. Não houve mortes.

Foram observados quatro (0,7%) eventos de tromboembolismo venoso; 2 (0,3%) pacientes apresentaram embolia pulmonar e 2 (0,3%) pacientes apresentaram trombose venosa profunda de membros inferiores. Seguindo um regime terapêutico de anticoagulação, todos se recuperaram sem sequelas.

Treze (2,2%) pacientes apresentaram complicações relacionadas ao sangramento; 2 (0,3%) hematomas pequenos que se liquefizeram e se resolveram sem intervenção; 4 (0,7%) hematomas pequenos e estáveis tratados por aspiração à beira do leito; e 7 (1,2%) pacientes foram submetidos a intervenção cirúrgica para controle e evacuação de hematomas.

Dentre os pacientes com hematomas tratados cirurgicamente, 5 e 2 hematomas ocorreram durante e após o uso profilático de rivaroxabana, respectivamente.

Em conclusão, o uso de Rivaroxabana para redução do risco de tromboembolismo venoso na cirurgia de contorno corporal abdominal está associado a uma baixa incidência de eventos de tromboembolismo venoso e um baixo risco de complicações hemorrágicas.

Leia o estudo completo aqui:
https://academic.oup.com/asj/advance-article-abstract/doi/10.1093/asj/sjaa177/5862393?redirectedFrom=fulltext

JP na Web