Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - Regional São Paulo

Estudo investiga custo-benefício de implantes lisos, frente aos texturizados, contra ALCL

O número crescente de mulheres diagnosticadas com linfoma anaplásico de células grandes (ALCL), identificado na presença de implantes mamários texturizados, criou um alerta na comunidade de cirurgiões plásticos em todo o mundo. Devido às preocupações sobre a segurança dos implantes, o uso deste produto tem sido restringido. A principal alternativa são os implantes lisos, dada a falta de associação destes com o ALCL. No entanto, as implicações e custos do uso de implantes lisos, em vez dos texturizados, são desconhecidos.

O objetivo de uma revisão sistemática com meta-análise publicada no periódico Aesthetic Surgery Journal, em julho de 2020, foi determinar a relação custo-benefício de implantes lisos, em comparação com implantes texturizados, para a cirurgia de aumento mamário.

O modelo de árvore de decisão foi utilizado para analisar a relação custo-benefício. Os parâmetros de entrada do modelo foram derivados de fontes publicadas, obtidas por meio de uma revisão sistemática restrita a ensaios clínicos randomizados e revisões sistemáticas de ensaios clínicos randomizados comparando implantes lisos e texturizados.

A taxa de contratura capsular (implantes subglandulares) foi calculada a partir de uma meta-análise. As medidas de eficácia foram anos de vida, casos de ALCL evitados, mortes evitadas e reoperações evitadas. A probabilidade de morte por ALCL foi estimada a partir da taxa de mortalidade relatada nas estatísticas atualizadas do FDA-USA, sendo que os últimos relatórios incluíram 33 mortes em 573 casos de ALCL. As medidas de efetividade foram calculadas para 100 mil pacientes hipotéticos com as mesmas características basais. Uma análise de sensibilidade foi realizada para testar a robustez do modelo.

O risco relativo combinado de contratura capsular foi de 4,19 (IC 95%, 1,87-9,39) a favor de implantes lisos. O risco total de reoperação por contratura capsular foi de 73,46% (IC 95% 68,08-78,52%). Para cada 100 mil pacientes com implantes lisos, 7,9 casos de ALCL foram prevenidos.

Anos de vida não foram obtidos e mortes ou reoperações não foram evitadas. Além disso, a utilização de implantes lisos para cirurgia de aumento mamário causou 23.153 reoperações adicionais, 0,12 mortes adicionais e 2,3 menos anos de vida para cada 100 mil pacientes, em vez da alternativa de utilizar implantes texturizados. Para evitar um caso de ALCL, 0,02 mortes adicionais tiveram que ocorrer, significando que houve uma morte extra para cada 50 casos de ALCL impedidos.

Para evitar o BIA-ALCL, foi verificado custo incremental para implantes lisos sobre implantes texturizados. O custo adicional de impedir um caso de ALCL foi de US $ 18,5 milhões. Para anos de vida, mortes evitadas e reoperações evitadas, a relação custo-benefício foi negativa, o que implica que os implantes lisos foram mais caros e menos eficazes que os implantes texturizados.

Os autores concluíram que o uso de implantes lisos para prevenir o ALCL não é custo-efetivo. A proibição de implantes texturizados para evitar o ALCL pode envolver consequências adicionais, que devem ser consideradas à luz de taxas mais altas de contraturas capsulares e mais reoperações associadas a implantes lisos do que com implantes texturizados.

 

Leia o estudo completo aqui:
https://academic.oup.com/asj/article-abstract/40/7/721/5639749?redirectedFrom=fulltext

JP na Web