Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - Regional São Paulo

Estudo investiga as taxas de complicações e alterações radiológicas após o aumento mamário com enxerto de gordura

O enxerto de gordura é usado como alternativa aos implantes mamários. Para investigar a segurança da técnica, pesquisadores dinamarqueses realizaram uma revisão sistemática de taxas de complicações e alterações radiológicas, publicando os resultados no periódico Plastic and Reconstructive Surgery, em março deste ano. Também foi avaliado o risco de as pacientes serem submetidas a procedimentos adicionais, devido ao procedimento inicial com gordura (por exemplo, cirurgia de revisão, aspiração, diagnóstico por imagem ou biópsia).

Seguindo recomendações para realização de revisões sistemáticas e meta-análises (PRISMA), as bases de dados MEDLINE, EMBASE, EBSCO e Cochrane Library foram revisadas para incluir estudos descrevendo a inclusão de, no mínimo, dez pacientes consecutivas submetidas ao aumento mamário bilateral com enxerto de gordura.

Os dados de interesse foram coletados por dois revisores, com opiniões conflitantes, sendo resolvidas por um terceiro revisor. As taxas de complicações e alterações radiológicas foram calculadas com métodos meta-analíticos. Vinte e dois estudos com 2.073 pacientes foram incluídos.

No geral, o aumento mamário com enxerto de gordura foi associado a poucas complicações. Entre os problemas mais relevantes, destacam-se as infecções (0,6% dos casos) e os seromas (0,1%), mas nenhuma dessas pacientes precisou de cirurgia de revisão. A complicação de menor gravidade mais freqüente foram os cistos palpáveis, em 2% das pacientes, sendo que 67% delas foram tratadas com aspiração.

Quanto às alterações radiológicas, os autores constataram: cistos de óleo, 6,5%; calcificações, 4,5%; e necrose gordurosa, 1,2%. O risco de encaminhamento para exame radiológico adicional (por exemplo, para excluir alterações malignas) foi de 16,4% e o risco de ser encaminhado para biópsia foi de 3,2%.

Esses dados, segundo os autores, podem auxiliar cirurgiões plásticos na elaboração de termos de consentimento, além do aconselhamento pré-operatório às pacientes.

Veja a íntegra do estudo aqui:
https://journals.lww.com/plasreconsurg/pages/articleviewer.aspx?year=2020&issue=03000&article=00018&type=Fulltext

JP na Web