Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - Regional São Paulo

Reconstrução de defeitos da coxa pode ser realizado com retalhos perfurantes do tipo propeller

Geralmente, os defeitos da região anterolateral da coxa com largura superior a 8 cm não podem ser fechados com sutura primária. Embora existam vários métodos de utilização de retalhos locais, a mobilidade desses retalhos é limitada. Em estudo publicado no periódico Annals of Plastic Surgery de outubro de 2017, cirurgiões plásticos da Universidade de Tóquio (grupo do Prof. Koshima) indicam um retalho perfurante em hélice (do tipo “propeller”) para tais reconstruções.

A sua mobilidade máxima, que minimiza o seu tamanho, é a sua maior vantagem. Além disso, os autores apresentam refinamentos técnicos, incluindo o retalho em hélice de dois eixos, o uso de angiografia em tempo real com verde de indocianina e o retalho em hélice supercarregado para uma transferência mais segura do retalho.

Sete pacientes foram submetidos a reconstrução com retalho perfurante em hélice de defeitos da região anterolateral da coxa. Os retalhos foram projetados cranial ou caudal ao defeito de acordo com a localização dos vasos perfurantes. Para maximizar a mobilidade, os retalhos foram projetados para que os vasos perfurantes estivessem localizados na periferia e mais próximo do defeito. Após a rotação do retalho para o defeito, a angiografia com verde de indocianina foi realizada para determinar a necessidade de aumentar a perfusão (retalho supercarregado).

Em todos os casos, todos os retalhos sobreviveram completamente. O tamanho do defeito variou entre 12 × 11 e 18 × 16 cm e o tamanho do retalho variou de 7 × 5 cm a 15 × 7 cm. O número de vasos perfurantes no retalho foi de 1 em 3 casos e 2 em 4 casos. O retalho supercarregado foi realizado em três pacientes. Não foram observadas complicações da área doadora, incluindo distúrbios da marcha.

Como conclusão, os autores afirmam que este método realiza o fechamento de defeito da região anterolateral da coxa com uma morbidade mínima da área doadora, com resultados esteticamente aceitáveis. A angiografia em tempo real com verde de indocianina e a técnica de retalho supercarregado também foram úteis para uma transferência mais segura e confiável do retalho.

Leia mais aqui
http://journals.lww.com/annalsplasticsurgery/Abstract/2017/10000/Reconstruction_of_Anterolateral_Thigh_Defects.13.aspx