Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - Regional São Paulo

O que há de novo no uso de malhas biológicas e sintéticas?

Veja estudo sobre matriz dérmica acelular

Das quase 90 mil reconstruções de mama com implantes realizadas nos Estados Unidos, a maioria usa um suporte interno para os tecidos moles. Esteticamente, essas opções podem permitir um melhor posicionamento da prótese, melhorar a expansão do polo inferior e aumentar a projeção. Elas podem ter utilidade particularmente em mastectomias com preservação de mamilo e com uso direto do implante, além de reconstruções pré-peitorais.

Para melhor estudar esse assunto, cirurgiões plásticos da Northwestern University de Chicago organizaram uma revisão ampla da literatura, versando sobre inovações em malhas biológicas e sintéticas, como as matrizes dérmicas. O artigo foi publicado em suplemento do periódico Plastic and Reconstructive Surgery, de novembro de 2017.

Nos últimos anos, as inovações das matrizes dérmicas acelulares evoluíram com diversas formas, tamanhos e características de processamento. A literatura é muito limitada aos estudos retrospectivos (e suas meta-análises), dificultando comparações robustas de uma conduta terapêutica em relação a outra. Embora as malhas sintéticas possam fornecer uma alternativa econômica na reconstrução primária e secundária, ainda faltam estudos comparativos com matriz dérmica acelular.

Esta revisão teve como objetivo fornecer uma visão equilibrada das recentes inovações em malhas biológicas e sintéticas. À medida que essas tecnologias (e técnicas concomitantes) evoluem, cada vez mais e melhores opções ficam à disposição do cirurgião plástico para otimizar os cuidados aos pacientes.

Leia mais aqui
https://journals.lww.com/plasreconsurg/Fulltext/2017/11001/What_s_New_in_Acellular_Dermal_Matrix_and.7.aspx