Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - Regional São Paulo

Estudo questiona a validade da identificação das células T CD30 + em seroma tardio como diagnóstico de linfoma anaplásico

Estudo publicado em julho de 2017 no Aesthetic Surgery Journal (ASJ) analisa e discute as implicações de um seroma tardio CD30 + e não maligno. Os métodos incluem coleta de fluídos de seroma e sangue periférico de um paciente com seroma tardio 22 anos após a reconstrução inicial da mama.

Um painel de 24 anticorpos monoclonais foi utilizado para detectar regiões Vβ do receptor de células T presentes em ~70% dos linfócitos T normais de sangue periférico humano.

Citometria de fluxo fechada foi realizada para CD3 + e CD30 + Linfócitos T ativados . As citosinas foram utilizadas para inspecionar a morfologia dos linfócitos T. Os resultados da citologia do fluído de seroma revelaram um espectro de Linfócitos T ativados, como observado no sangue de pacientes com distúrbios imunológicos, como a mononucleose infecciosa.

As células foram julgadas não-malignas por patologia de rotina. A citometria de fluxo revelou que > 23% dos linfócitos T CD3 + pertenciam a uma família de células T expandida, expressando TCRVβ13.2., a maioria dos Vβ13.2.

As células expressaram o antígeno de ativação das células T CD30, indicando que a CD30 não está restrita ao linfoma anaplásico de células grandes (ALCL) em fluídos de seroma. Uma menor população expandida de linfócitos T CD30 + que expressam TCRVβ 13.2 foi detectada no sangue.

Em conclusão, neste caso de índice, uma população expandida dos linfócitos T ativados com CD30 + foi detectada no fluído seroma que envolve um implante mamário texturizado, bem como no sangue periférico, consistente com uma resposta imune local e sistêmica.

A demonstração de uma população de células T CD30 + expandida em um fundo policlonal sugere um possível papel para superantígenos bacterianos como um fator patogênico. Esses dados sugerem ainda que o linfoma anaplásico de células grandes associadas ao implante mamário (BIA-ALCL) pode ser o estágio final de um transtorno linfoproliferativo de células T CD30 +.

Leia mais aqui
https://academic.oup.com/asj/article-lookup/doi/10.1093/asj/sjw286