Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - Regional São Paulo

Estudo avalia a reconstrução microcirúrgica do nariz com retalho antebraquial radial

A reconstrução microvascular do nariz teve início na China na década de 1970, usando o retalho radial do antebraço. Desde então, diferentes retalhos, métodos e designs de retalhos foram adotados para melhorar os resultados.

A transferência de tecido microvascular se tornou o primeiro passo da reconstrução multiestágio, que inclui a reconstrução da estrutura nasal, a transferência de um retalho frontal para a cobertura da pele e a modelagem do nariz para melhorar aparência e respiração.

Neste artigo, publicado no periódico Plastic and Reconstructive Surgery de junho de 2019, os autores (entre eles Dr. Frederick Menick) apresentam suas experiências de longo prazo na reconstrução microvascular do nariz. O trabalho descreve o uso de retalho antebraquial radial dobrado para defeitos nasais de espessura total e um único retalho circunferencial apenas para o revestimento interno.

Foram realizados 50 procedimentos de reconstrução nasal microvascular em 47 pacientes, entre 2000 e 2017, utilizando o retalho radial do antebraço. As reconstruções incluíram defeitos nasais totais ou subtotais, usando um retalho do antebraço trapezoidal dobrado em um ou dois planos, e um retalho retangular posicionado internamente e circunferencialmente, apenas para o revestimento. Os defeitos nasais foram causados ​​por ressecção de câncer, trauma, infecção, uso de cocaína e tentativas frustradas de reconstrução nasal.

Quarenta e sete retalhos foram transferidos com sucesso para a reconstrução nasal, com duas perdas imediatas (4%), causadas por complicações do retalho e uma perda tardia. Quarenta e seis pacientes completaram a reconstrução nasal multiestágio. O seguimento foi de 1 ano a 17 anos — média de 6 anos.

Como conclusão, os autores afirmam que a técnica do retalho radial do antebraço é o método de escolha para a reconstrução microvascular do nariz. Isso porque o método permite a colocação de um enxerto primário de cartilagem dorsal para melhor vascularização e usa o excesso de pele dorsal para moldar o contorno e o formato das narinas.

Leia mais aqui:
https://journals.lww.com/plasreconsurg/Fulltext/2019/07000/Microvascular_Reconstruction_of_the_Nose_with_the.42.aspx